Como manter sua TI segura em 2022

Compliance, riscos do home office e sequestro de dados. Entenda os principais pontos de atenção para segurança da sua TI em 2022.

Luzia Mendes
tela de segurança em um computador

Primeiramente, é preciso entender que o assunto de segurança de dados deve ser entendido como um tópico de segurança nacional. Empresas do mundo todo – e não é diferente no Brasil – enfrentam dificuldade para manter sua TI segura e estão sendo alvo de organizações criminosas digitais.
Esse tipo de crime não é diferente de qualquer outro, e não se deveria culpar quem é atacado.

Grandes empresas, com equipes, processos e ferramentas adequadas sofrem ataques sofisticados os quais não conseguem evitar.
Os últimos ataques mais noticiados foram o da Renner, TJ-RS e Ministério da Saúde.

Se até os grandes sofrem, como os pequenos podem se proteger?

Continue lendo para entender como manter sua TI segura em 2022.

Três pilares para manter a TI segura

Com o aumento da complexidade das infraestruturas de TI, aumentam também as portas de entrada para possíveis ataques. É muito comum que as empresas ainda utilizem arquiteturas híbridas, com equipamentos físicos em datacenters locais e servidores virtuais em serviços de Cloud como a plataforma Azure, da Microsoft.

Para quem administra estes ambientes, tornou-se extremamente complexo manter a documentação e as rotinas de segurança. Por isso, o uso de Inteligência Artificial aplicada a operações de TI (AIOPS) tem sido cada vez mais utilizada.

Para auxiliar no planejamento da segurança de TI, destacamos as três grandes áreas que as empresas de todos os tamanhos devem estar atentas em 2022.

Proteção de dados: Segundo estimativa do Gartner, as informações pessoais de 65% da população mundial estarão cobertas por leis específicas de proteção de dados ainda neste ano. 

Proteção no home office: Segundo estudo do Tenable e da Forrester, cerca de 74% dos líderes de segurança reconheceram que o trabalho remoto ampliou a vulnerabilidade das suas infraestruturas. Com isso, é imprescindível a adoção de soluções robustas de segurança endpoint.

Proteção contra ransomware: Só no primeiro semestre de 2021, o Brasil foi o 5º país a mais sofrer ataques de ransomware no mundo, de acordo com a SonicWall.

 

Inteligência Artificial mantem a TI segura contra ataques maliciosos

 

A inteligência artificial como aliada na proteção da TI

Não se consegue mais conceber a utilização de sistemas de segurança que não utilizem mecanismos de inteligência artificial. Dentre os requisitos para se manter a TI segura estão a observação de padrões de comportamento e a identificação de ameaças.

Devido seu alto poder analítico, a IA se torna responsável por examinar uma grande quantidade de dados, sejam inofensivos ou malignos, a fim de formular um algoritmo de categorização. Através do parâmetro criado, os sistemas de segurança identificam potenciais riscos à infraestrutura de TI. Outra vantagem é a capacidade de aprender a partir das suas próprias categorizações.

Para manter a TI segura em 2022, é preciso avaliar processos e utilizar softwares adequados de proteção contra ataques cibernéticos sofisticados. Além disso, é necessário identificar vulnerabilidades, gerir riscos, adaptar-se a novas regras de compliance, monitorar eventos e resolver incidentes.

Por isso, a InterOp oferece serviços consultivos, operacionais, monitoramento e licenciamento de softwares de proteção cibernética que utilizam IA, como CrowdStrike.

Quer conhecer mais sobre tecnologias que melhorem a operação e a entrega de serviços de TI? Então entre em contato conosco e fale com nossos especialistas!

Fique atualizado com nosso melhor conteúdo!

    Compartilhe

    Leitores também acessaram: