Mitos sobre Cloud computing

Existem vários mitos difundidos sobre a migração para a nuvem, conheça quais são os principais deles e perca o medo de migrar sua infraestrutura de TI para a cloud.

Equipe Interop
Mitos sobre Cloud computing

Os dados do mercado não mentem! Cada vez mais aumenta o impacto positivo da migração para a nuvem dentro das organizações. Segundo o Gartner, até 2022, 70% das empresas estarão trabalhando com cloud. Mesmo assim, muitos gestores de áreas de tecnologia ainda têm muitas dúvidas e medos em relação à migração para a nuvem.

No artigo de hoje, vamos desmistificar para você os principais mitos sobre cloud computing. Acompanhe o nosso artigo e entenda porque a maioria deles são infundados.

 

O que é cloud computing?

Primeiramente vamos ao conceito de cloud computing, que é a entrega sob demanda de recursos de TI. Ao invés de comprar servidores e datacenters você paga conforme o uso, o qual é escalável e pode ser aumentado ou diminuído conforme a demanda da sua empresa ou dos usuários das aplicações.

Agora que entendemos o seu conceito, vamos aos principais mitos sobre cloud computing que os profissionais de tecnologia escutam rotineiramente:

 

A nuvem reduz a segurança do ambiente

Na verdade, de forma geral, a nuvem não reduz a segurança de sua rede, quando bem gerenciado torna o ambiente muito mais seguro do que nos modelos on-premises. Um exemplo disso é que os principais provedores de nuvem possuem as melhores práticas de segurança e os certificados mais rigorosos. Todos esses padrões de segurança e certificações são herdados por seus clientes que podem, inclusive, atender às mais rigorosas exigências de compliance. Esse aumento de segurança é percebido principalmente pelas pequenas e médias empresas, que não possuem recursos para altos investimentos em segurança.

 

A nuvem é muito cara

Se os profissionais olharem somente a fatura mensal do uso de hardware em nuvem eles podem chegar a essa falsa conclusão. Entretanto, existem diversos custos escondidos que podem ser eliminados com uso de serviços em nuvem. Um deles é o salário de profissionais especializados para administrar a infraestrutura on-premise. Apesar do gerenciamento de ambientes em nuvem ainda ser um conhecimento raro, muitas das atividades são completamente eliminadas neste modelo, como a administração de datacenters ou ambientes de TI complexos. Isso permite que a empresa esteja mais focada em seu core business. Além disso, os recursos de hardware se tornam muito mais flexíveis. A vantagem da nuvem é que as empresas só pagam pelos recursos utilizados.

 

Com a migração para a nuvem não é mais necessário o departamento de TI:

O time de TI ainda se faz mais do que necessário quando realizada a migração de serviços para a nuvem. Entretanto, há uma redução de carga de trabalho na questão de administração de ativos de hardware, o que é bom, uma vez que os profissionais de TI ficam mais livres para focar em atividades mais complexas e estratégicas para a empresa.

 

Nuvem pública não é confiável

Apesar de ser pública, seus dados estarão protegidos lá dentro. A nuvem utiliza ferramentas de segurança para o armazenamento de dados e toda e qualquer transferência de dados é feita de maneira criptografada. Os clientes são isolados uns dos outros dentro da arquitetura de software, de público só a distribuição de recursos utilizados, pois sua privacidade permanece intacta e segura. A nuvem, seja pública, privada ou híbrida, ainda permite aumentar a redundância do backup, que pode ser replicado em diversos datacenters espalhados pelo mundo para eliminar riscos de desastres naturais ou incêndios.

 

Virtualização e serviço de cloud é tudo a mesma coisa

Até é possível criar servidores virtuais com a virtualização, mas todos eles utilizam recursos de servidores físicos (memória RAM, núcleos de CPU etc.), o que os deixa não tão flexíveis. Já o servidor em nuvem oferece o escalonamento flexível de recursos, e não consome do seu dispositivo de acesso. Novos modelos de criação de ambientes isolados, como docker, redshift e kubernetes são totalmente aderentes ao modelo de nuvem e hoje são uma alternativa até mais eficiente para a virtualização.

 

Conclusão

Como pudemos perceber neste artigo, muitas mitos sobre cloud computing são completamente infundadas e não passam de desconhecimento sobre a tecnologia ou de uma visão rasa sobre retorno de investimento e custo de propriedade. Isso não invalida que algumas empresas ainda optem pelo modelo on-premises por razões muito específicas.

Caso sua empresa esteja buscando um parceiro para migrar a infraestrutura da sua empresa ou aplicações para a nuvem, não deixe de considerar a InterOp como um forte aliado. Entre em contato com nossos especialistas.

 
Microsoft Azure

Fique atualizado com nosso melhor conteúdo!

    Compartilhe

    Leitores também acessaram: